Primeiro encontro de 2019 do Grupo de Pesquisa Ribombo


O primeiro encontro do grupo de pesquisa Ribombo aconteceu no dia 11 de março, na Universidade Federal do Rio Grande, no qual foi não só criada uma agenda de trabalho, como também já começamos algumas discussões teóricas com o texto América Latina e o Giro Decolonial, de Luciana Ballestrin.

O material foi sugerido pelos estudantes da graduação, Guilherme Almeida e Alisson Lucena, que estão trabalhando com o tema do Decolonialismo em algumas disciplinas, e propuseram ao grupo uma aproximação com tal temática. Com isso, foi feita uma apresentação do texto pelos dois, e em seguida um debate crítico acerca do conteúdo exposto pela autora.

O diálogo foi realizado no sentido de perceber uma aproximação interessante ao campo da Educação Ambiental, já que várias das argumentações de Ballestrin encaminhavam para elementos também presentes, por exemplo, no universo das epistemologias ecológicas de Isabel de Moura Carvalho, e mesmo com documentos fundamentais à EA, como é o caso do Tratado de 1992.

A possibilidade de elaborar uma narrativa histórica de cunho mais holístico, capaz de superar estruturar binárias do pensamento moderno, no caso do texto, de um pensamento colonialista, o qual opera na lógica colonizador-colonizado conforme estruturas prévias europeias, em muito dialoga com a postura de uma EA que deixa emergir outras formas de observar e colocar-se ecologicamente no mundo. Em ambos os casos o que está em jogo é re-constituir formas de elaborar epistemologias, primando por perspectivas que abranjam grupos silenciados por essa binariedade.

Quanto ao Tratado, não há dúvida que o caráter político do Decolonialismo é um ponto importante de aproximação importante com a EA, já que existe como fundamento assumir uma posição crítica frente ao mundo, rompendo com amarras científicas que buscam inalcançável neutralidade. É preciso posicionar-se, ou melhor, estar trabalhando com tais epistemologias já é estar posicionado em determinado lugar político.

Ao longo do debate ainda foi possível perceber aproximações, por exemplo, com a obra de Enrique Leff, o que gerou a iniciativa de trabalharmos um texto do educador mexicano. Assim seria possível aprofundar esse tema buscando suas possibilidades interdisciplinares para os trabalhos desenvolvidos no Ribombo.

________________________________________________________________________________________________




 Felipe Nóbrega
Graduação em História (FURG), 
mestrado em História (UFRGS) e doutorando em Educação Ambiental (CAPES/FURG).
Tema de pesquisa: Fenômenos Ambientais Costeiros e Mudanças Climáticas.